Mundi.News

Inglaterra, The Guardian, Inglês

Inglaterra, The Guardian, Inglês

Inglaterra, The Sun, Inglês

Inglaterra, The Sun, Inglês

Bélgica, Le Soir, Francês

Bélgica, Le Soir, Francês

Rússia, The Moscow Times, Inglês

Rússia, The Moscow Times, Inglês

Holanda, Nieuws, Holandês

Suiça, La Liberte, Francês

Suiça, La Liberte, Francês

Suiça, NZZ, Alemão

Suiça, NZZ, Alemão

Turquia, Haber Ekspres, Turco

Turquia, Haber Ekspres, Turco

Grécia, Protothema, Grego

Grécia, Protothema, Grego

Grécia, Tanea, Grego

Grécia, Tanea, Grego

Croácia, Zagreb Ancija, Croata

Croácia, Zagreb Ancija, Croata

Noruega, Aftenposten, Norueguês

Noruega, Aftenposten, Norueguês

Noruega, DN, Norueguês

Noruega, DN, Norueguês

Bósnia, Hayat, Croata

Bósnia, Hayat, Croata

Estônia, Aripaev, Estoniano

Estônia, Aripaev, Estoniano

Romênia, Ziarul de Lasi, Romeno

Romênia, Ziarul de Lasi, Romeno

Romênia, Cotidianul, Romeno

Romênia, Cotidianul, Romeno

Estônia, Laane Elu, Estoniano

Eslováquia, Pravda, Eslovaco

Eslováquia, Pravda, Eslovaco

Eslovênia, Dnevnik, Esloveno

Eslovênia, Dnevnik, Esloveno

Notícias
Inglaterra, The Guardian, Inglês

Inglaterra, The Guardian, Inglês

Inglaterra, The Sun, Inglês

Inglaterra, The Sun, Inglês

Bélgica, Le Soir, Francês

Bélgica, Le Soir, Francês

Rússia, The Moscow Times, Inglês

Rússia, The Moscow Times, Inglês

Holanda, Nieuws, Holandês

Suiça, La Liberte, Francês

Suiça, La Liberte, Francês

Suiça, NZZ, Alemão

Suiça, NZZ, Alemão

Turquia, Haber Ekspres, Turco

Turquia, Haber Ekspres, Turco

Grécia, Protothema, Grego

Grécia, Protothema, Grego

Grécia, Tanea, Grego

Grécia, Tanea, Grego

Croácia, Zagreb Ancija, Croata

Croácia, Zagreb Ancija, Croata

Noruega, Aftenposten, Norueguês

Noruega, Aftenposten, Norueguês

Noruega, DN, Norueguês

Noruega, DN, Norueguês

Bósnia, Hayat, Croata

Bósnia, Hayat, Croata

Estônia, Aripaev, Estoniano

Estônia, Aripaev, Estoniano

Romênia, Ziarul de Lasi, Romeno

Romênia, Ziarul de Lasi, Romeno

Romênia, Cotidianul, Romeno

Romênia, Cotidianul, Romeno

Estônia, Laane Elu, Estoniano

Eslováquia, Pravda, Eslovaco

Eslováquia, Pravda, Eslovaco

Eslovênia, Dnevnik, Esloveno

Eslovênia, Dnevnik, Esloveno

Portugal, Observador, Português



O que poderia levar a Rússia a usar uma bomba nuclear tática? Documentos militares que foram noticiados pelo Financial Times (FT), esta quarta-feira, mostram aqueles que seriam os “critérios mínimos” que teriam de ser cumpridos para que essa decisão pudesse ser tomada pelo Kremlin.

Trata-se de 29 ficheiros militares russos, com datas entre 2008 e 2014, que mostram qual é a fasquia “que é mais baixa do que a Rússia alguma vez admitiu publicamente, de acordo com especialistas que analisaram e verificaram os documentos”, escreve o FT.

Em concreto, os critérios vão “desde uma incursão inimiga em território russo até acontecimentos mais específicos, como a destruição de 20% dos submarinos estratégicos de mísseis balísticos da Rússia”, acrescenta o jornal.

Em causa estão as armas nucleares táticas da Rússia, que são concebidas para uso no campo de batalha na Europa e na Ásia e têm um alcance mais limitado do que as armas nucleares estratégicas (que poderiam atingir os EUA).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A destruição de três ou mais navios de guerra, três campos de aviação, 30% dos submarinos de ataque com propulsão nuclear ou um “ataque simultâneo aos centros de comando costeiros principais e de reserva” também são especificados como condições potenciais para uma resposta nuclear russa.

Os documentos divulgados pelo FT, que não revela como os obteve, também indicam uma desconfiança em relação à China, apesar de hoje em dia haver uma perceção de que Moscovo e Pequim estão cada vez mais próximos. Os documentos indicam que a divisão militar oriental da Rússia conduziu exercícios para simular a resposta e um hipotético ataque da China.

A informação remonta a 2014, ou mesmo antes. Mas os documentos sinalizam que Moscovo receia que Pequim possa aproveitar o foco militar (russo) no Ocidente e, nesse contexto, lançar um ataque através da fronteira para ganhar território no Extremo Oriente da Rússia.

O jornal britânico destaca que a Rússia continua a realizar exercícios militares perto da China, tendo feito exercícios em junho e novembro de 2023 em regiões fronteiriças com a China. Nesses exercícios também terá sido simulada a utilização de mísseis com capacidade nuclear.

Porém, citado pelo FT, William Alberque, diretor de estratégia, tecnologia e controle de armas do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, hoje a Rússia provavelmente terá uma fasquia mais elevada para usar armas nucleares táticas contra a Ucrânia, porque isso provavelmente “faria o conflito subir de tom e levaria a uma intervenção direta dos EUA ou do Reino Unido.”



RPT

Notícias

Inglaterra, The Guardian, Inglês

Key events Show key events only Please turn on JavaScript to use this feature WICKET! Carey c Williamson b Kuggeleijn 10 Kuggeleijn swaps ends to

Inglaterra, The Sun, Inglês

A WIFE who lives a natural lifestyle has shared her no-heat trick to combat frizzy hair. The best part is that it also works for

Bélgica, Le Soir, Francês

Pour le MR, « les conséquences financières de l’action ou de l’inaction en matière de politiques publiques doivent être assumées par les entités concernées ». El Pais

Rússia, The Moscow Times, Inglês

Russia’s most prominent opposition figure Alexei Navalny died on Feb. 16 in the Arctic penal colony where he was serving a 19-year prison sentence, dealing a